Contamos com sua
parceria para
seguirmos em frente
Ano 22                                                                                                          Editado por Jomar Morais
 
BLOGUEIROS
do Planeta
Site de acolhimento e ação social do Sapiens
Wescley Gama
Acesse a programação e assine nosso canal > www.youtube.com/sapiensnatal
Arriverdeci, Roma!
Um périplo sentimental pela Cidade
Eterna com música e poesia
PLANETA*Zap
Para receber envie "Sim" e seu nome via Whatsapp:
(84) 99983-4178

Guto de Castro
Outro Olhar,
por Jomar Morais

A fé e o mundo mutante
LIVREIRO SAPIENS
Acesse o nosso acervo


tv sapiens
diálogo fraterno


Planeta Jota é um site independente com um olhar diferenciado sobre temas essenciais.

Se você gosta de nossos conteúdos, doe qualquer valor e ajude-nos a prosseguir com esse projeto iniciado há 22 anos.
A cada doação você pode solicitar um livro digital ou um fac-símile da seção Documento

Obrigado por sua colaboração.

TV SAPIENS
Atualização semanal
Aldenir Dantas
Jorge Braúna
13º ENCONTRO
COM O SILÊNCIO

Veja o vídeo do evento
Mochilão JM 2017
Etapa Itália - Parte 1
ARRIVERDECI, ROMA!
Roteiro sentimental e espiritual na Cidade Eterna, com música, poesia e cores
Acompanhe o jornalista e mochileiro Jomar Morais pela Roma histórica e a cidade moderna. Conheça-as, encante-se ou reviva as emoções que você já experimentou em Roma. Não deixe de curtir as cenas finais da Lua cheia surgindo sobre o Vaticano e o canto do tenor Mario Lanza e da atriz Luisa Dimeo na Piazza Navona no filme "Sete Colinas de Roma". Próximos vídeos: "O Caminho de Francisco" (uma peregrinação pela Úmbria) e o "Enigma da Albânia".
A MENSAGEM DO COLISEU
Outra vez em Roma, outra vez no Coliseu, a fantástica arena inaugurada no ano 80, cujas ruínas se tornaram o principal cartão postal da Roma contemporânea. Erguido a partir de pedras transportadas do Templo de Jerusalém, após a derrocada da rebelião judaica no ano 70, o Coliseu impressionava a Antiguidade com sua estrutura gigantesca, três níveis de arcos, 80 entradas e 50 mil assentos. Por ordem do imperador Tito, 100 dias de jogos, combates e performances, envolvendo 5 mil animais, marcaram a abertura da arena.

Ninguém entra no mesmo rio duas vezes, já dizia o filósofo pré-socrático Heráclito para atestar o movimento da vida. O Coliseu que vejo agora não é o mesmo que apreciei, pela primeira vez, em 1982, e em outras ocasiões. E isso não diz respeito apenas à sua estrutura física, sujeita à lei de entropia. O mundo mudou, eu mudei. Para mim, hoje, não há como observar os restos do gigante sem vê-los como uma mensagem ao nosso tempo.

Costumamos identificar o Coliseu com os mártires do Cristianismo nascente que aqui tombaram sob a fúria de leões famintos. Sabe-se agora que mais cristãos foram sacrificados no Circo de Nero, junto ao Vaticano, e no Circo Máximo, o enorme hipódromo que se estendia entre as colinas Palatino e Aventino, cujos espetáculos, sempre sangrentos, reuniam até 250 mil espectadores e podiam ser assistidos pelo imperador da sacada de seu palácio. O Coliseu, no entanto, é mais que esse emblema.

No segundo século, intelectuais romanos mostravam-se preocupados com aqueles espetáculos em que milhares de romanos, bestializados, aplaudiam a tortura e morte de escravos e prisioneiros, enquanto eles próprios se engalfinhavam em meio às perdas e ganhos das apostas. Alinhados com Sêneca, Cícero e outros pensadores e artistas latinos de ampla visão ética e estética, eles entendiam que o que se passava no Coliseu e no Circo Máximo sinalizava a decadência espiritual de Roma e o ocaso do império. Estavam certos.

Nas arenas os romanos aplaudiam e respaldavam a crueldade que seus centuriões impunham aos povos dominados e compactuavam com a base legal sobre a qual o poder dos tribunos e o preconceito conduziam a crimes hediondos. É significativo que, na Roma antiga, os espetáculos de horror tenham começado como empreendimentos privados, em seguida absorvidos pelos políticos e, por fim, estatizados - uma forma de prover o circo indispensável para entreter a plebe e mantê-la sob controle.

Ao reencontrar o Coliseu de Roma, penso no MMA, nos esportes violentos que se tornaram negócios bilionários em nosso tempo, penso na violência crescente do aparelho de Estado, aplaudida e reivindicada pelas massas atemorizadas, penso no barulho  midiático espalhando o medo e produzindo lucros, penso nos arautos de toda intolerância e em todas as formas de ignorância que sustentam um Coliseu sem fronteiras no qual nos perdemos em mil catarses e receios. Então, questiono minha alma perplexa:  teríamos chegado ao ápice de nossa civilização? Iniciamos a descida? Não há mais a esperar senão o declínio?
[ Publicado na edição do Novo Jornal de 31/01/17 ]
Sustentamos hoje um Coliseu
sem fronteiras no  qual nos perdermos em catarses e receios.  Não há nada a
esperar senão o declínio?
por JOMAR MORAIS