Contamos com 
a sua parceria
 
 
 
 

Planeta Jota é um site independente com olhar diferenciado sobre temas essenciais.

Se você gosta de nossos conteúdos, doe qualquer valor e ajude-nos a prosseguir com este projeto iniciado há 23 anos.
A cada doação você ganha um livro digital
do acervo do Livreiro Sapiens.

Obrigado por sua colaboração.

 
Ano 23                                                                                                              Editado por Jomar Morais
vitrine pj
tv sapiens


Mochilão JM 2017
Etapa Itália - Parte 1
ARRIVERDECI, ROMA!
Roteiro sentimental e espiritual na Cidade Eterna, com música, poesia e cores
Acompanhe o jornalista e mochileiro Jomar Morais pela Roma histórica e a cidade moderna. Conheça-as, encante-se ou reviva as emoções que você já experimentou em Roma. Não deixe de curtir as cenas finais da Lua cheia surgindo sobre o Vaticano e o canto do tenor Mario Lanza e da atriz Luisa Dimeo na Piazza Navona no filme "Sete Colinas de Roma". Próximos vídeos: "O Caminho de Francisco" (uma peregrinação pela Úmbria) e o "Enigma da Albânia".
A MENSAGEM DO COLISEU
Outra vez em Roma, outra vez no Coliseu, a fantástica arena inaugurada no ano 80, cujas ruínas se tornaram o principal cartão postal da Roma contemporânea. Erguido a partir de pedras transportadas do Templo de Jerusalém, após a derrocada da rebelião judaica no ano 70, o Coliseu impressionava a Antiguidade com sua estrutura gigantesca, três níveis de arcos, 80 entradas e 50 mil assentos. Por ordem do imperador Tito, 100 dias de jogos, combates e performances, envolvendo 5 mil animais, marcaram a abertura da arena.

Ninguém entra no mesmo rio duas vezes, já dizia o filósofo pré-socrático Heráclito para atestar o movimento da vida. O Coliseu que vejo agora não é o mesmo que apreciei, pela primeira vez, em 1982, e em outras ocasiões. E isso não diz respeito apenas à sua estrutura física, sujeita à lei de entropia. O mundo mudou, eu mudei. Para mim, hoje, não há como observar os restos do gigante sem vê-los como uma mensagem ao nosso tempo.

Costumamos identificar o Coliseu com os mártires do Cristianismo nascente que aqui tombaram sob a fúria de leões famintos. Sabe-se agora que mais cristãos foram sacrificados no Circo de Nero, junto ao Vaticano, e no Circo Máximo, o enorme hipódromo que se estendia entre as colinas Palatino e Aventino, cujos espetáculos, sempre sangrentos, reuniam até 250 mil espectadores e podiam ser assistidos pelo imperador da sacada de seu palácio. O Coliseu, no entanto, é mais que esse emblema.

No segundo século, intelectuais romanos mostravam-se preocupados com aqueles espetáculos em que milhares de romanos, bestializados, aplaudiam a tortura e morte de escravos e prisioneiros, enquanto eles próprios se engalfinhavam em meio às perdas e ganhos das apostas. Alinhados com Sêneca, Cícero e outros pensadores e artistas latinos de ampla visão ética e estética, eles entendiam que o que se passava no Coliseu e no Circo Máximo sinalizava a decadência espiritual de Roma e o ocaso do império. Estavam certos.

Nas arenas os romanos aplaudiam e respaldavam a crueldade que seus centuriões impunham aos povos dominados e compactuavam com a base legal sobre a qual o poder dos tribunos e o preconceito conduziam a crimes hediondos. É significativo que, na Roma antiga, os espetáculos de horror tenham começado como empreendimentos privados, em seguida absorvidos pelos políticos e, por fim, estatizados - uma forma de prover o circo indispensável para entreter a plebe e mantê-la sob controle.

Ao reencontrar o Coliseu de Roma, penso no MMA, nos esportes violentos que se tornaram negócios bilionários em nosso tempo, penso na violência crescente do aparelho de Estado, aplaudida e reivindicada pelas massas atemorizadas, penso no barulho  midiático espalhando o medo e produzindo lucros, penso nos arautos de toda intolerância e em todas as formas de ignorância que sustentam um Coliseu sem fronteiras no qual nos perdemos em mil catarses e receios. Então, questiono minha alma perplexa:  teríamos chegado ao ápice de nossa civilização? Iniciamos a descida? Não há mais a esperar senão o declínio?
[ Publicado na edição do Novo Jornal de 31/01/17 ]
Sustentamos hoje um Coliseu
sem fronteiras no  qual nos perdermos em catarses e receios.  Não há nada a
esperar senão o declínio?
por JOMAR MORAIS
Clique e deixe seu comentário no
Fórum dos Leitores do Planeta Jota