Leia também os relatos dos mochilões de Jomar Morais na Índia, Grécia, Colômbia, Nova Zelândia, Austrália, Canadá, Estados Unidos,
Marrocos, Portugal, Espanha, Itália, Suiça, França, Venezuela, Uruguai, Argentina, Ilha da Madeira, México, Bolívia, Cuba, Nepal,
Turquia, Israel e Palestina, Albânia, África do Sul, Moçambique

Contamos com 
a sua parceria
 
 
 
 

Planeta Jota é um site independente com olhar diferenciado sobre temas essenciais.

Se você gosta de nossos conteúdos, doe qualquer valor e ajude-nos a prosseguir com este projeto iniciado há 23 anos.
A cada doação você ganha um livro digital
do acervo do Livreiro Sapiens.

Obrigado por sua colaboração.

 
Ano 23                                                                                                              Editado por Jomar Morais
vitrine pj
tv sapiens





O golfo de Corinto visto da cidade velha, onde o apóstolo Paulo anunciou Jesus junto ao templo de
Apolo. Ao fundo, o monte Parnasso, abrigo do oráculo de Delfos, que inspirou o filósofo Sócrates.

Pelos caminhos de Sócrates e Paulo
Nesse cenário  de montanhas, águas azuis e 1400 ilhas, brotaram a filosofia,
a democracia e a base de apoio para o Cristianismo firmar-se como religião
por Jomar Morais
O poder das ideias
[Texto escrito em Atenas, diante da Acrópole, em 08/02/2010 e publicado no Novo Jornal]
Diante da banca de jornais em Atenas tento ler dezenas de manchetes. Em vão. Nada entendo. Até o alfabeto é outro. Aquilo tudo pra mim é grego... Mas não é preciso dominar o idioma local para perceber o que se passa no país. Basta olhar para as ruas. Aumento da mendicância, protestos contra medidas de aperto na economia, confrontos por causa da imigração... O congresso deve votar já uma lei dura sobre estrangeiros. Com o desemprego em alta, sobrou para os 2,5 milhões de imigrantes, muitos vivendo de biscates.
A Grécia, como Portugal, está em crise. Mas isso é conjuntura, logo os gregos encontrarão sua saída. O que importa - e isto resume o grande fascínio desta nação milenar - é o patrimônio de idéias que em sua saga os gregos, principalmente os de Atenas, legaram à humanidade.
Aqui nasceu a democracia, depois aperfeiçoada e ainda hoje insubstituível, apesar de suas fragilidades. Aqui a condição humana, bela e horrenda, sempre contraditória, nos foi revelada na mitologia  que, hoje como ontem, é o único espaço onde conseguimos reconciliar nossas polaridades. Aqui a sabedoria e a arte reafirmaram o poder das idéias luminosas frente a escuridão da força bruta.
Não foram os gregos que patrocinaram a expansão de sua cultura na antiguidade, mas seus eventuais dominadores, como Alexandre da Macedônia, o Grande, e imperadores romanos, principalmente Adriano, todos rendidos  à inquietação e ao refinamento do pensamento que aqui brotou. E, no ano 51, ao discursar para os filósofos atenienses na colina do areópago, o apóstolo Paulo abriu caminho para a sedimentação de nossa civilização judaico-greco-romano.
Ao percorrer a Ancient Ágora, o centro comercial da antiga Atenas, lembrei dos filósofos que, naquelas mesmas ruas ou em academias nas vizinhanças, provocavam seus contemporâneos a pensar. Os estóicos, conclamando à dignidade ante a dor. Os epicuristas, ensinando a busca do prazer pela ação correta, o que hoje é confundido com mero hedonismo. Os céticos, os cínicos... Lembrei, sobretudo, de Sócrates, o maior de todos eles.
A Sócrates devemos a maiêutica, um jeito  tão simples e tão eficiente de alcançarmos o conhecimento, a iluminação: desconfie de suas certezas e faça perguntas a si mesmo, aprofundando cada vez mais o questionamento.
Seus ensinamentos talvez possam ser simbolizados na frase que mais repetia: "Só sei que nada sei". Ou no ensinamento inscrito à entrada do oráculo do templo de Apolo, em Delfos, que ele ecoava pela Ágora: "Conhece a ti mesmo".
Eis o segredo de uma vida consciente, aberta e despojada - e, portanto, livre e feliz. Mas isso, desde sempre, é muito perigoso para qualquer sistema de poder, individual ou coletivo, sempre baseado em apegos, aversões e submissões. Acusado de corromper a juventude, Sócrates foi preso e condenado a tomar veneno. Morreu sereno. Era um homem livre e iluminado.
 
Museu Nacional de Arqueologia, um programa imperdível
Máscara do grande
rei Agamenon: arte  micênica em ouro
A pequena colina do Areópago e a Atenas contemporânea
Interior de uma
Igreja Ortodoxa:
beleza despojada
ONDE FIQUEI EM ATENAS
Cecil Hotel, rua Athinas, 39, a 100 metros da estação Monastiraki (metrô). Vista para a Acrópole, café da manhã, internet gratuita, acesso a pé às atrações da região central e à Acrópole. Metrô até o aeroporto. Diária: 30 euros (ap. com banheiro).
COMO CHEGUEI
O PÉRIPLO
Decidi ir à Grécia quando já estava de mochila pronta para voar à Ilha da Madeira, via Lisboa. Descobri uma oferta da Lufthansa imperdível: Lisboa-Atenas-Lisboa, via Frankfurt, por 200 euros. Mantive a viagem à Madeira, mas inclui em meu roteiro o novo trecho. Pena que fiquei pouco tempo, mas a Grécia me aguarde: eu voltarei.
No inverno, o frio e o mar agitado desaconselham visitas às ilhas gregas - são 1400, pouco mais de 200 habitadas. Mas é na Grécia continental que estão os grandes atrativos  culturais. De Atenas, chega-se a Corinto, Delfos, Olímpia e Esparta de trem ou ônibus. Um bom guia, como o Lonely Planet, dá todas as dicas.
JM na colina do Areópago, local onde, no
ano 51, o apóstolo Paulo falou aos gregos e converteu Dionísio, o santo padroeiro de
Atenas. Atrás, a Acrópole (cidade alta), o
mais importante sítio histórico do Ocidente.
Acima, o Odeon de Herodes Ática,  construido pelo rico romano na encosta sudoeste da Acrópole, no ano 161. Ao lado, escultura de um antigo atleta no Museu Nacional de Arqueologia.
Parthenon, a "casa da virgem", é o grande templo edificado entre 447 e 438 a.C. Sob seu teto azul, ornamentado de estrelas, estava a estátua de Atena Polias, a mais impressionante da antiguidade.
Ruínas da velha Ágora de Atenas, a área do mercado, onde Sócrates realizava suas pregações. Ao fundo, o Templo de Hefesto, o deus do fogo, única construção da área que se manteve preservada.
Eis o que restou do templo de Apolo em Delfos, no alto do monte Parnasso. Aqui ficava o famoso Oráculo de Delfos, tido como o mais poderoso da Grécia antiga e ao qual recorriam governantes e sábios.
Ao alto, JM junto a um sepulcro de mármore no jardim do Museu Arqueológico de Delfos. Ao lado, o antigo Ginásio  com suas pistas para a prática de atletismo e uma piscina circular.
Colunas do templo de Apolo na velha Corinto, em cujas cercanias Paulo pregou o Evangelho. Na acrópole coríntia, a maior fortaleza do Peloponeso abrigava o templo de Afrodite, a deusa do sexo.
ISTO É GRÉCIA

Imagens de Atenas, Pireus, Corinto e Delfos
JM na Universidade de Atenas em dia de cerco policial: daqui saem passeatas de protesto contra as reformas econômicas
O presente, sob raios e trovões
01/2011
Comentários

Clique no megafone e deixe seu comentário sobre esta
e outras matérias publicadas no Planeta Jota >>>