Contamos com 
a sua parceria
 
 
 
 

Planeta Jota é um site independente com olhar diferenciado sobre temas essenciais.

Se você gosta de nossos conteúdos, doe qualquer valor e ajude-nos a prosseguir com este projeto iniciado há 23 anos.
A cada doação você ganha um livro digital
do acervo do Livreiro Sapiens.

Obrigado por sua colaboração.

 
Ano 23                                                                                                              Editado por Jomar Morais
vitrine pj
tv sapiens


Isla Negra, a 100 quilômetros de Santiago, já não é mais a praia deserta de 50 anos atrás, nem este sobrado, outrora solitário, é a única construção sobre a escarpa que se impõe diante do Pacífico. Mesmo assim, tudo na velha casa, hoje um museu, ainda exala poesia, paixão.
A mobília, arrumada da mesma maneira como a deixou Pablo Neruda, não dá margem a dúvida. Foi aqui onde o poeta maior do Chile, Prêmio Nobel de Literatura, ativista do socialismo e amante inveterado, colecionou seus melhores sonhos e amores ardentes.
Fascinado pelo mar, Neruda, que se autoproclamava capitão sem jamais ter comandado um barco, ergueu uma casa com jeito de navio. Portas pequenas, teto curvo, corredores ligando salas "protegidas" por carrancas em forma de sereias. Imagens femininas em meio a presentes recebidos de amigos do mundo inteiro. Mulheres, sempre as mulheres.
"Nada está completo se uma mulher não compartilha nossos descobrimentos", disse o poeta certa vez. Na proa, ao alto, o quarto, a cama rústica e um enorme janelão de vidro descortinando o oceano. Um santuário. Ali, a pequena Matilde Urrutia, terceira mulher de Neruda, embriagou-o de inspiração ao longo dos últimos 20 de anos de sua vida.
No guarda roupa, os vestidos e xales ainda denunciam o corpo diminuto, quase uma criança. Suas mãos e pés minúsculos encantavam o poeta. "Tudo o que escrevo é dedicado ela", disse Neruda, apaixonado.
Se essa casa falasse, certamente sussurraria, com o poeta, os versos delirantes:

Eu te nomeio rainha.
Há mulheres mais altas do que tu, mais altas.
Há mais puras do que tu, mais puras.
Há mais belas do que tu, mais belas.
Mas tu és a rainha.

"Doze dias depois do Golpe Militar ser proclamado no Chile, em 1973, o poeta morreu. Estava doente e os últimos acontecimentos tinham acabado com sua vontade de viver. Agonizou em sua cama em Isla Negra olhando sem ver o mar que estalava contra as pedras debaixo de sua janela", escreveu Isabel Allende em seu livro Paula
UM DIA NA CASA DO
POETA

Uma visita inesquecível à casa rústica onde viveu Pablo Neruda, o maior poeta chileno,
no cenário paradisíaco das águas
esmeraldas do Pacífico, em Isla Negra
por JOMAR MORAIS
05/2001
JM, Fátima (à esquerda) e Márcia
no jardim da residência
[Publicado na revista Viagem e Turismo de 2001]

A casa, o barco e os sinos do cáis: paixões do poeta Neruda. À direita, a sala de visitas.
Clique e deixe seu comentário no
Fórum dos Leitores do Planeta Jota