Contamos com 
a sua parceria
 
 
 
 

Planeta Jota é um site independente com olhar diferenciado sobre temas essenciais.

Se você gosta de nossos conteúdos, doe qualquer valor e ajude-nos a prosseguir com este projeto iniciado há 23 anos.
A cada doação você ganha um livro digital
do acervo do Livreiro Sapiens.

Obrigado por sua colaboração.

 
Ano 23                                                                                                              Editado por Jomar Morais
vitrine pj
tv sapiens


TURQUIA
O fascínio da terra que abrigou quatro impérios
por JOMAR MORAIS
Memórias de Constantinopla
Constantinopla! Não há como não recordar, ou melhor, não há como não sentir o emblemático nome da antiga capital do Império Romano do Oriente quando se está em Istambul, perambulando por suas ruas repletas de marcos da história do mundo.

Cercada pelas comodidades e pela agitação contemporâneas, a cidade mais cobiçada da antiguidade e da Idade Média revela-se no que restou de seus monumentos colossais e da muralha tripla que a manteve incólume até 29 de maio de 1453, data em que sucumbiu ante o poder de fogo do sultão Maomé II, arrastando consigo os ponteiros das eras.

A queda de Constantinopla, último bastião da cultura imperial romana já na era bizantina, selou o início da Idade Moderna, com um efeito notável sobre os transportes, o comércio, a cultura e a relação de poder entre o ocidente e o oriente.

Com o domínio otomano absoluto sobre o Mediterrâneo, a partir dessa estratégica península abraçada por dois mares, a Europa teve que arriscar novas rotas nos oceanos e o resto do mundo, enfim, pôde tomar conhecimento da América e da zorra tupiniquim. Graças à diáspora de gênios que sucedeu a operação militar e à troca de comando na urbe outrora chamada de “a porta da felicidade”, a ciência e as artes tomaram enorme impulso no fenômeno da Renascença.

Constantinopla ou Bizâncio, rótulo que remonta à lendária fundação da cidade pelo rei grego Bizas, foi a única a ter o privilégio de ser a capital de quatro impérios - o romano, o bizantino, o latino e o otomano -, o que por si explica a força de sua saga e de seu patrimônio.

Para mim, estar em Istambul, nome otomano resgatado pela atual República da Turquia, é um prazer especial. Percorrer suas igrejas e mesquitas, seus palácios e torres, alia a nostalgia das aulas de história e geografia no saudoso Atheneu Norte-Riograndense à perplexidade diante de estruturas colossais como o Palácio Topkapi, residência e centro administrativo dos sultões; a basílica de Santa Sofia (depois mesquita e hoje museu) e seus afrescos medieviais; a cisterna da basílica e suas 300 colunas romanas e cabeças de medusas; a Mesquita Azul e sua abóbada gigantesca; a Torre Gálata vigiando o estreito de Bósforo e o Chifre de Ouro, caprichos da natureza que fazem de Istambul a única cidade do mundo dividida entre dois continentes: a Europa e a Ásia.

O passado da Turquia me encanta com a singularidade da Capadócia, seus mosteiros incrustrados na rocha e suas cidades subterrâneas que abrigaram monges e cristãos perseguidos. E ainda com o simbolismo de Éfeso, onde o fausto romano, ainda visível em suas ruínas, não ofuscou a construção cristã ali realizada por Paulo e João e pela própria mãe de Jesus, Maria, que lá viveu seus últimos dias.

Sentir-se assim, tocando as marcas da história e  vislumbrando os ensinos do passado que os livros  não contam é fascinante. Mas dizem pouco sobre a nossa interação com uma sociedade tão multifacetada e tão distante. O presente e o futuro prometem colocar brasileiros e turcos no tabuleiro dos interesses do mundo globalizado, aproximando-nos como nunca antes na história.

               [ Publicado na edição do Novo Jornal de 04/02/14 ]

Para saber mais sobre a rica herança cultural da Turquia, a saga do povo turco e seus heróis, recomendamos acessar >>>  http://pt.wikipedia.org/wiki/Turquia

Uma real história de turco
Não há brasileiro de minha geração que não conheça pelo menos uma história de “turco”. São piadas gostosas sobre a esperteza para o comércio de imigrantes procedentes do Oriente Médio que, a partir dos anos 20, instalaram-se em diferentes regiões do Brasil. Ágeis na venda porta a porta, esses antigos caixeiros-viajantes logo montariam pequenos negócios que, com o passar do tempo, tornaram-se empresas de destaque no comércio de várias cidades.

O “turco” mais famoso só existiu na ficção e se deu bem na Ilhéus retratada por Jorge Amado: o simpático Nacib, querido e respeitado por todos, foi o único a conquistar o coração de Gabriela, a bela caipira de irresistíveis dotes culinários e sensuais.

O detalhe curioso dessas histórias é que, na realidade, nunca houve turco entre seus personagens, mas libaneses, palestinos, jordanianos... gente que emigrou de suas regiões para fugir à opressão do Império Otomano - este, sim, o verdadeiro turco -, que à época dominava boa parte do Oriente Médio. Como os seus passaportes eram emitidos pela autoridade otomana, aqui passaram a ser rotulados indistintamente de “turcos”.

Na verdade, sequer a Turquia existia nessa época. A saga da etnia turca, anterior ao século 23 antes de Cristo, abrange várias regiões da Ásia e dos bálcãs e teve seus dias de glória no Império dos turcomanos, surgido no ocaso da Idade Média e só dissolvido após a primeira guerra mundial. A República da Turquia aparece em 1923 como resultado das lutas pela independência, após a partilha dos territórios do antigo império entre os vencedores da guerra.

Só recentemente o Brasil foi apresentado à Turquia e, como acontece quase sempre lá fora, em princípio graças à arte do futebol e as cores do carnaval. De Istambul à Capadócia, por exemplo, o turista brasileiro é saudado com o nome de Alex Souza, o jogador que brilhou na equipe do Fenerbache até 2012 e virou estátua em frente ao estádio do time.

Em meio a essa simpatia, descobrimos um país vibrante, um estado laico - apesar dos 98% de muçulmanos entre a população turca - que já nasceu com a garantia dos direitos da mulher, com um sistema de educação baseado na pedagogia de John Dewey e a proibição da intolerância religiosa. E mais: uma economia ascendente, com indústrias de ponta e boa infraestrutura de transporte e telecomunicações, que há nove anos se esforça por um lugar permanente na comunidade européia, enquanto se mexe para se destacar entre os países do chamado G20.

Segundo o economista Jim O´Neill, que em 2001 cunhou o termo Brics - Brasil, Rússia, Índia e China - para as potências emergentes na economia mundial, os turcos podem ser a bola da vez. Com a desaceleração dos Brics, a Turquia ascenderia no tabuleiro global, ao lado do México, Indonésia e Nigéria.

[ Publicado na edição do Novo Jornal de 11/02/14 ]
Isto é Istambul
Acima, JM junto à
Porta da  Felicidade
no 2° largo do
Palácio Topkapi,
residência e local
de trabalho dos
sultões durante o
Império Otomano.
À direita, o trono
do sultão e abaixo
a entrada do
famoso Harem.
Estreito de Bósforo,
que divide Istambul
e separa a Europa
da Ásia, visto do
alto da Torre
Gálata: no lado de
lá fica a Ásia.
À direita, a Torre
Gálata e seus mais
de 500 anos de
história num fim
de tarde de frio
e garoa.
JM toca numa das
cabeças de medusa
do período romano
colocadas sob
algumas das 300
colunas da
Cisterna Yerebatan
ou Cisterna da
Basílica, verdadeiro
palácio subterrâneo
e a maior entre as 
cisternas da cidade.
Interior da grande
mesquita de
Sultanahmet, mais
conhecida como
Mesquita Azul, em
razão da cor
predominante em
seus vitrais: acima
o salão de orações;
ao lado JM
acompanha as
orações dos fiéis
muçulmanos na
área restrita.
Mosaico milenar do Museu do Mosaico, acima, revela hábitos dos ancestrais que habitaram a região.
Ao lado, o Obelisco Egípcio do antigo Hipódromo. A peça construída em 1500 a. C., em honra do faraó Tutmosis III, foi trazida de Alexandria em 390 de nossa era.
Acima a Praça
Taksim, no centro
de Istambul, e o
monumento a
Atartuk, o "pai do
estado turco",
criado em 1923. A
praça foi palco de
grande protesto
político em 2012.
Ao lado, JM chega
à Taksim no bonde
que percorre o calçadão da rua Istiklal.
Nave da Hagia Sofia, hoje museu, que no no início do ano estava sendo restaurada.
VÍDEOS: cenas de Istambul, Capadócia e Éfeso
A PORTA DA FELICIDADE
O VALE DE JORGE
RECANTO DE MARIA
Éfeso foi um importante porto do Império Romano na Anatólia,  região então conhecida como Ásia Menor. A cidade, banhada pelo mar Egeu, chegou a ter mais de 200 mil habitantes no século 4. Seu corredor comercial, suas saunas, seu anfieteatro , seus templos e a sua Biblioteca de Celso impressionam ainda hoje, mesmo sendo apenas ruínas.

Maria, mãe de Jesus, transferiu-se para Éfeso, em companhia do evangelista João, após o episódio da crucificação. O apóstolo Paulo viveu dois anos na cidade e lá escreveu a sua primeira Carta aos Coríntios, que contém o seu poema sobre o amor (cap. 13). Depois, em Roma, escreveu a Carta aos Efésios, na qual exorta os cristãos à unidade.
Como cheguei, onde fiquei
Meu hotel em Istambul
Ares Hotel
Pousada simples, mas confortável. Bom restaurante e café da manhã digno. Wifi.
Reservada via Booking.com
Muito bem localizado, a 100m da Praça Sultanahmet (acima), em torno da qual estão a Mesquita Azul, a Hagia Sofia, o Hipódromo, a Cisterna da Basílica e o Museu do Mosaico. O Grande Bazar fica a 700 metros. Bonde elétrico para principais áreas da cidade.
Cheguei a Istambul no final de janeiro, no pico do inverno. Muito frio (até 4 graus negativos), mas escapei da neve e das tempestades comuns nessa época do ano. Aproveitei oferta da Lufthansa em voo a partir de Lisboa, com escala em Frankfurt e Munique (na volta). Apenas 500 reais, com direito a excelente serviço de bordo, com refeição completa incluindo vinhos. Não é preciso visto para brasileiros visitarem a Turquia. O custo de vida é equivalente ao das capitais brasileiras. Vale a pena comprar o passe para visitar monumentos e museus. Apesar do frio, Istambul ferve e há muita gente nas ruas. Viajei de ônibus para a Capadócia e Éfeso, passando por Pamukale e Kusadasi.
Meu hotel na Capadócia
Sunset Cave Hotel
Pousada muito simples, em Goreme, porém com o atrativo de apartamentos escavados na rocha. Café da manhã e wifi. Point de mochileiros.
Bem localizada, a apenas dois minutos, a pé, do centro da Vila de Goreme. O gerente é um jovem prestativo com bastante experiência como mochileiro e na recepção a viajantes.
Comentários

Clique no megafone e deixe seu comentário sobre esta
e outras matérias publicadas no Planeta Jota >>>
Leia também os relatos dos mochilões de Jomar Morais na Índia, Nepal, Grécia, Colômbia,
Nova Zelândia, Austrália, Estados Unidos, Marrocos, Canadá, Portugal, Espanha, Itália, Suiça,
França, Venezuela, Uruguai, Argentina, Ilha da Madeira, México, Bolívia, Cuba, Turquia, Israel,
Palestina, Albânia, África do Sul, Moçambique