Na sua pequenez, naqueles idos anos setenta, não há quem, em sã consciência, possa dizer que em Mericó não acontecia de quase tudo.

Havia entrado o mês de junho, com aquela frieza que deixava todo mundo amofumbado dentro de casa, saindo à noite apenas os que tinham negócios, ou um bom casaco de frio e, mesmo assim, voltando cedo. Além do mais, naqueles tempos, ninguém ficava até tarde nas ruas. A energia de Paulo Afonso ainda não havia chegado e o motor da luz era desligado às nove horas.

Mas os encontros de boca-de-noite na bodega de dona Menina sobreviviam à friagem e de lá surgiu a notícia de um lobisomem que andava assustando os moradores do beco das almas.

Zé Dedin, que perdera o dedo na luta com uma raposa choca, além de destemido, não acreditava nessas coisas do outro mundo e, além de não acreditar, gostava de desafiá-las.

- Homem, quer saber de uma coisa? Além de Dedin, eu também sou é doidim! Doidim pra encontrar um lobisomem desses numa esquina! Aí eu quero ver se o bicho é mesmo do outro mundo, quando lhe arrancar uma tira do coro do espinhaço com uma peixeira de 12 polegadas!

- Compadre, não diga isso que a coisa é séria!
- Também acho que isso não é invenção, não! Compadre Cipriano, que não é homem de mentira, não chegou a vê-lo, mas escutou o bicho passando pelo beco. E era mais ou menos meia-noite.

- É verdade. E mesmo não sendo um homem medroso, o compadre se arrepiou todo. E tem mais: ele disse que o bicho não andava como gente, seus cascos eram duros e batendo nas pedras fazia mais barulho do que um cavalo.

- E dizem que o bicho só aparece nas sextas-feiras, por volta de meia-noite. Sua passagem é sempre por ali. O povo anda tão assustado que, de sete horas da noite, já está todo mundo de porta batida.

Passada uma semana, novas notícias do lobisomem voltaram a ocupar as conversas noturnas.

- Compadre Jacinto ficou de pastora, olhando pela brecha da porta! E como a noite estava meio clara ele viu, mesmo, o bicho. Era uma monstruosidade!

- É. E compadre Jacinto também não é homem de mentira.

- Ele disse que o bicho, mesmo andando como homem, era meio corcunda e tinha a pele, Deus me livre, assim como um bode preto. E o barulho dos cascos no chão, parecia as pisadas de um burro.

- Santo Deus! Isso é coisa do cramunhão! O melhor que se faz é ir atrás do Cabo para dar um jeito nessa marmota. Faça alguma coisa, compadre Zé Dedin!

- E vou fazer mesmo, comadre Menina. Mas sou lá homem de precisar de polícia pra dá cabo de uma presepada dessas! Espere que a senhora logo, logo vai ouvir a notícia.
Falou e saiu. Alguns riram, outros balançaram a cabeça em sinal de descrédito e outro falou:

- Esse Zé Dedin tem é muita pabulagem.

- Mas também é um cabra de coragem. E já deu prova disso!

De fato, o homem era mesmo corajoso. E dispensando os serviços da polícia, naquela sexta-feira, tomou duas lapadas de brejeira com anil estrelado, colocou a peixeira na cintura e, munido de um porrete de aroeira, dirigiu-se ao local do mal-assombro por volta das onze horas da noite.

Havia uma frondosa mangueira na esquina da rua do Mercado com o beco das almas e, segundo os relatos, o bicho sempre passava por ali. Escanchando-se num galho e camuflando-se entre as folhas, Zé Dedin montou guarda durante uma hora até que começou ouvir umas pisadas estranhas vindas pelo beco, em sua direção.

Conforme haviam dito, parecia que o bicho tinha, mesmo, os cascos de madeira. Zé arrepiou-se todo e, olhando por entre as folhas, divisou ao longe na penumbra da noite, levemente enluarada, uma figura descomunal vindo em sua direção. Pela primeira vez, o valente Zé Dedin sentiu medo, e disse para si mesmo:

- Eita que esse bicho ta me dando é um medo danado! Mas não vou desonrar minhas calças por causa dessa presepada, não!

Assim pensava, quando o bicho alcançou o ponto em que o espreitava. Sem pensar no medo que o invadira, pulou nas costa da fera, acertando-lhe, simultaneamente, uma porretada na cabeça que o fez cair por terra.

Não havia mais risco. Agora podia acender a lanterna e olhar a cara do desventurado. E assim fez, com a faca em punho, pronto para sangrá-lo, mas, à luz da lâmpada, o mostrengo negro e peludo revelou-se um homem envolto em uma pele de bode e com umas quengas de coco amarradas às sandálias. Zé Dedin desemborcou a vítima ao mesmo tempo em que esta recobrou a consciência:

- Seu João Felizardo, pelo amor de Deus! Quase lhe matei, homem de Deus! Como é que o senhor, um comericante tão respeitado, faz uma presepada dessas?

- Mulher, Zé Dedin. O homem se mete em cada enrascada por causa de um rabo de saia! Foi o jeito que achei de fazer umas visitas a uma cabrocha que mora ali pra baixo, sem que ninguém me descobrisse. Agora, tô morto de vergonha. Se o povo de Mericó souber disso, o que vai ser de mim? E a minha mulher?

- Lhe devo muito favor, seu João. Me ajudou muito nas horas de precisão. Vamos esquecer essa história. Apenas vou dizer que botei o bicho pra correr e ele nunca mais vai aparecer por aqui. E ainda vou arrancar um punhado do cabelo desse coro de bode, como prova.

- Eu estou sem saber onde botar a cara, de tanta vergonha. Mas lhe fico muito grato, Zé. E ainda vou lhe dar um agrado, como sinal do meu reconhecimento.

No dia seguinte, não se falou em outra coisa: Zé Dedin enfrentou o lobisomem, deu-lhe umas boas porretadas e só não matou o bicho porque ele fuigu.

- Comadre Menina, será que isso não é mentira daquele pabuloso?

- É não compadre! O povo do beco escutou tudo e ele até arrancou um punhado de cabelo do coisa ruim. Eu não vi porque não tive coragem, mas ele estava mostrando a todo mundo aqui na bodega. Verdade, mesmo, compadre!



Contamos com 
a sua parceria
 
 
 
 

Planeta Jota é um site independente com olhar diferenciado sobre temas essenciais.

Se você gosta de nossos conteúdos, doe qualquer valor e ajude-nos a prosseguir com este projeto iniciado há 23 anos.
A cada doação você ganha um livro digital
do acervo do Livreiro Sapiens.

Obrigado por sua colaboração.

 
Ano 23                                                                                                              Editado por Jomar Morais
vitrine pj
tv sapiens


conto das terras do mericó - 7
por Aldenir Dantas *
O lobisomem e Zé Dedin
Não houve tempo para pensar. Após uma sacudidela do defunto, suas mãos brancas e enrugadas surgiram segurando a rede e logo apareceu sua cabeça seguida de um gesto de espanto e de um retumbante grito: "Bando de Satanás! Prá onde estão me levando?"
* Conto integrante do livro inédito Histórias Mal Contadas das Terras do Mericó.
Aldenir Dantas é poeta e escritor, especialista em
Ensino à Distância e mestrando em Ciências da Educação

Comentários
Leia também, do mesmo autor:
A resposta da natureza
A Traíra e o Pote de Zeca Preto
A Criatura Mais linda

A viola e o sapo
Mais textos de Aldenir Dantas em:
Blog do Aldenir
Josildo S. Pereira - 17/03/14 - Senhores, o final do texto está truncado. Não consiguimos ler.

Planeta Jota - 17/03/14 - Prezado Josias, o texto não está truncado. Havia uma aproximação exagerada da última linha do texto e o bloco de dados sobre oautor. Obrigado por nos informar.  O problema foi corrigido..
Clique e deixe seu comentário no
Fórum dos Leitores do Planeta Jota