Contamos com sua
parceria para
seguirmos em frente
Ano 22                                                                                                          Editado por Jomar Morais
 
BLOGUEIROS
do Planeta
Site de acolhimento e ação social do Sapiens
Wescley Gama
Acesse a programação e assine nosso canal > www.youtube.com/sapiensnatal
Arriverdeci, Roma!
Um périplo sentimental pela Cidade
Eterna com música e poesia
PLANETA*Zap
Para receber envie "Sim" e seu nome via Whatsapp:
(84) 99983-4178

Guto de Castro
Outro Olhar,
por Jomar Morais

Francisco
e a paz
LIVREIRO SAPIENS
Acesse o nosso acervo


tv sapiens
diálogo fraterno


Planeta Jota é um site independente com um olhar diferenciado sobre temas essenciais.

Se você gosta de nossos conteúdos, doe qualquer valor e ajude-nos a prosseguir com esse projeto iniciado há 22 anos.
A cada doação você pode solicitar um livro digital ou um fac-símile da seção Documento

Obrigado por sua colaboração.

TV SAPIENS
Atualização semanal
Aldenir Dantas
Jorge Braúna
 
15º DIA DE SILÊNCIO
NO SAPIENS | 25/11
Increva-se aqui
OUTRO OLHAR
por Jomar Morais
O QUE FAZER COM
A MINHA DOR?
Uma lenda oriental relata que, durante a visita de Sidarta Gautama, o Buda, a um povoado no
norte da Índia, há  2600 anos, uma mãe apresentou-lhe uma proposta inusitada. Triste e
inconformada, a mulher queria que o iluminado usasse seus poderes mentais para devolver à
vida o seu único filho, que falecera dias antes.

Buda ouviu o relato queixoso e, ao final, impôs uma condição para que o milagre acontecesse:
era preciso que  aquela mãe lhe levasse um grão de mostarda recolhido em uma casa onde
jamais a dor tivesse entrado.

Tomada pela esperança, a mulher percorreu, célere, toda a vila, mas no fim do dia não havia
alcançado o seu intento. Nos dias seguintes, repetiu a busca em vilas vizinhas e outra vez deu de
cara com pessoas que choravam a perda de entes queridos, doenças graves, frustrações
familiares,  etc Depois disso, a mulher desapareceu e não mais se ouviu falar de seu périplo para
encontrar a semente.

Anos mais tarde, em outro vilarejo da Índia, Buda a reconhece no meio da multidão que o cercava
e, ainda compassivo com a sua dor, pergunta-lhe se, finalmente, trouxera o grão de mostarda
necessário à ressureição de seu filho.

Não - diz a mulher, que agora sorri. - Mas isso já não é necessário. Durante todos esses anos,
Iluminado, bati à porta de ricos e pobres, doutos e ignorantes, desvalidos e poderosos, e em
todas elas recolhi relatos de infortúnio e desconforto. Compreendi então que a minha dor não é
minha, é da vida.

Em nosso mundo escravizado ao hedonismo (o culto ao prazer como valor soberano),
rememorar a velha lenda budista pode ser o primeiro passo para a liberação do sofrimento.
Descobrir que a dor é um evento transpessoal, ajuda-nos a atribuir-lhe novo significado e a
perceber o seu papel essencial no crescimento dos seres.

O progresso material até aqui tem sido, basicamente, o resultado do esforço do homem para
eliminar a dor - o que torna autoevidente a importância dessa indesejada. Mas já caminhamos o
suficiente para entender que, se a administração e o alívio da dor se fazem necessários, a sua
erradicação nos roubaria o mais eficiente indicador de nossos desequilíbrios físicos e
psicológicos e a mestra insistente que jamais desiste de nos conduzir à reflexão e à reinvenção
de nós próprios.

O hedonismo exacerbado, que corrompe o prazer natural, fonte de fruição da vida,
transformando-o em mera rota de fuga da dor, no fenômeno das compulsões, é contrário à
evolução.

A tolerância zero à dor física, logo abafada com analgésicos e relaxantes, impede a leitura de
sinais do corpo e abre portas à ação silenciosa de doenças que só em estágio avançado serão
perecebidas.

A falácia de que a felicidade é euforia e não comporta frustrações, logo encobertas por
ansiolíticos e antipressivos, mantém-nos na imaturidade emocional e nos retira a chance de nos
realizarmos espiritualmente em saudável processo de autoconhecimento, livres do medo de
viver.

Como reconhece o poeta, a dor é inevitável, mas o sofrimento é opcional. Uma dor compreendida
e administrada é sempre um portal que se abre para a cura e a libertação.
[Publicado na edição do Novo Jornal de 06/05/14 ]
A dor é inevitável, mas o sofrimento é sempre
resultado de nossa incompreensão dos fatos

Seu comentário
Nome:
Email:
Comentário:
 
 
 
Comentários