Contamos com 
a sua parceria
 
 
 
 

Planeta Jota é um site independente com olhar diferenciado sobre temas essenciais.

Se você gosta de nossos conteúdos, doe qualquer valor e ajude-nos a prosseguir com este projeto iniciado há 23 anos.
A cada doação você ganha um livro digital
do acervo do Livreiro Sapiens.

Obrigado por sua colaboração.

 
Ano 23                                                                                                              Editado por Jomar Morais
vitrine pj
tv sapiens



OUTRO OLHAR
por Jomar Morais
PARA ONDE VAI O CASAMENTO?
A lei é para assegurar direitos da pessoa e do cidadão. O amor, e a
felicidade que dele decorre, dispensam garantias
Vi na novela das nove um homem casando com três mulheres. Minhas avós, se ainda vivas, teriam logo trocado o canal, horrorizadas. Meus avôs materno e paterno, mulherengos que acabaram implodindo seus casamentos, certamente se permitiriam um sorriso disfarçado, mas igualmente teriam acionado o controle remoto em defesa da moral e da tradição. No entanto, na minha sala e, penso, nas de milhões de brasileiros, os que seguem vivos assistiram à cena com bom humor e gargalhadas, esquecendo-a, minutos depois, sob a cascata de imagens com que a TV embala o nosso tédio.

Vi no telejornal da noite alguns casamentos gays, com direito a olhares cúmplices e beijinhos na boca entre homens e entre mulheres. E vi na revista eletrônica do domingo crianças cujas certidões de nascimento exibem os nomes de dois pais ou duas mães falando sobre a relação em casa e a reação dos amigos à especificidade de suas famílias.

Vi na televisão e no dia a dia do mundo real casais em seu terceiro ou quarto matrimônios formando aglomerados em que filhos e pais de uniões passadas, e mesmo de encontros fortuitos, se arrumam e se experimentam sem levarem consigo a marca preconceituosa de bastardos ou agregados. Vi homens e mulheres forjando modelos de vida a dois ou em grupo, dentro ou fora da lei, em desafios a um dos pilares mais sólidos da civilização.

Bom, minhas avós e meus avôs ficariam ruborizados ante esse quadro audacioso, mas a verdade é que, em substância, não estamos diante de fatos novos e sim de uma nova interpretação e de uma nova sanção coletiva que geram dispositivos legais garantidores de situações até há pouco não reconhecidas. A começar pela Bíblia, a literatura e os registros históricos estão repletos de relatos sobre concubinas, poligamia, filhos bastardos e relacionamentos não convencionais em que a sorte dos partícipes sempre dependeu do humor dos poderosos envolvidos e não do senso de justiça e dos direitos relacionados à dignidade humana.

Como toda instituição, a do casamento está sujeita a mutações que expressam o dinamismo da vida e em cada época é moldada pela visão de mundo predominante numa determinada cultura. Compare-se, por exemplo, o papel e os direitos da mulher na antiga família patriarcal brasileira e na atual e se verá o tamanho e a profundidade da evolução do casamento.

A exemplo do passado, porém, hoje e amanhã a qualidade e a estabilidade das relações íntimas não dependem e nem dependerão de leis ou normas não escritas, mas do sentimento inexplicável do amor e de seus frutos inevitáveis, como o carinho, a dedicação, a parceria e também a tolerância e a capacidade de renúncia. A lei é para assegurar direitos da pessoa e do cidadão. O amor, e a felicidade que dele decorre, dispensam garantias
.
[Publicado na edição de 23/10/12 do Novo Jornal]
Clique e deixe seu comentário no
Fórum dos Leitores do Planeta Jota