Contamos com sua
parceria para
seguirmos em frente
Ano 22                                                                                                          Editado por Jomar Morais
 
 


 
 


Planeta Jota é um site independente com um olhar diferenciado sobre temas essenciais.

Se você gosta de nossos conteúdos, doe qualquer valor e ajude-nos a prosseguir com esse projeto iniciado há 22 anos.
A cada doação você pode solicitar um livro digital ou um fac-símile da seção Documento

Obrigado por sua colaboração.

compartilhar
 
vitrine pj
tv sapiens

OUTRO OLHAR
por Jomar Morais
 
CIDADANIA REATIVA
Cedo ou tarde, com ou sem Internet, as passeatas se recolherão e o mundo novo envelhecerá se, como indivíduos, continuarmos a ver apenas o próprio umbigo.
 
Seu comentário
Nome:
Email:
Comentário:
Comentários
 
 
 
As “primaveras” políticas que se espalham pelo planeta, com manifestações populares
gigantescas catalisadas a partir das redes sociais, serão alvo de estudos por muitos anos, talvez
séculos, como um momento singular da humanidade. Nunca antes na história do mundo foi
possível mobilizar tanta gente de um jeito anárquico, sem líderes consagrados, à revelia e,
sobretudo, contra o aparato institucional da democracia representativa, no qual os partidos
ocupam um lugar de destaque. Para onde vamos? Ainda não sabemos.

No futuro, certamente, milhões de gigabytes serão necessários para arquivar tantas teses e
monografias sobre o que acontece hoje diante de nossos olhos. Mas daqui, desse espaço
modesto e nada acadêmico, eu arrisco um palpite para os mestres e doutores que irão explicar o
fenômeno: apenas o componente tecnológico da Internet, com o seu poder fantástico de aglutinar
pessoas, é fator inédito e inovador na transição atual.

Os registros históricos comprovam que todas as rupturas políticas aconteceram com povo nas
ruas e espasmos emocionais, em eventos mais ou menos administráveis. Nas revoluções, o
caos sempre precede a nova ordem. As crises sociais, como a dos indivíduos, são as dores do
parto de novas possibilidades.

Foi sempre assim na saga da civilização e, imagino, assim continuará, a menos que nos demos
conta de um detalhe que influencia todo o resto: até aqui, multidões nas ruas sempre
protagonizaram movimentos reativos. Os brados das passeatas e a violência dos levantes são
respostas dos indivíduos ao que lhes foi oferecido antes e aceito passivamente enquanto,
abdicando de seus deveres, eles se mantinham entretidos com projetos egoísticos e a omissão
interesseira.

Temos aí um dado ideológico e uma crença básica que há de sabotar toda utopia, até que
percebamos o óbvio: jamais haverá sociedade honesta se eu não for honesto nas coisas triviais;
não haverá sociedade solidária se eu não for solidário com o irmão mais próximo; não haverá
governantes íntegros se eu não ensinar integridade ao meu filho; não haverá sociedade
participativa, se eu não participar na escola, na igreja, no sindicato, na ong e, vá lá, no partido
político (ou algo que venha a substituí-lo), ajudando na definição de valores, prioridades e,
principalmente, carregando pianos na rotina das ações.

Até aqui as manifestações reativas foram indispensáveis para desintegrar velhas estruturas. Mas
é legítimo que, a essa altura, queiramos mais que um movimento de manada, passional como
toda explosão de raiva. O sonho exige uma postura ativa. Um pouco mais até: proativa, com
permanente criatividade e partilha.

Cedo ou tarde, com ou sem Internet, as passeatas se recolherão e o mundo novo logo
envelhecerá se, como indivíduos, continuarmos a focar apenas o próprio umbigo.
 
[Publicado na edição do Novo Jornal de 02/07/13]