Contamos com sua
parceria para
seguirmos em frente
Ano 22                                                                                                          Editado por Jomar Morais
 
 


 
 


Planeta Jota é um site independente com um olhar diferenciado sobre temas essenciais.

Se você gosta de nossos conteúdos, doe qualquer valor e ajude-nos a prosseguir com esse projeto iniciado há 22 anos.
A cada doação você pode solicitar um livro digital ou um fac-símile da seção Documento

Obrigado por sua colaboração.

compartilhar
 
vitrine pj
tv sapiens

OUTRO OLHAR
por Jomar Morais
 
O REAL E AS VERDADES
É tão questionável aceitar tudo o que nos chega em nome de Deus quanto o que nos entregam em nome da Ciência. Toda teoria tem prazo de validade.
 
Seu comentário
Nome:
Email:
Comentário:
Comentários
 
 
 
Na Antiguidade e, sobretudo, na Idade de Média todo poder e toda verdade
emanavam de Deus. É uma assertiva que, do ponto de vista da filosofia
espiritualista, continua valendo hoje, pois nada existe fora de Deus, a causalidade
absoluta. A História, porém, mostra que mesmo as ideias mais sensatas e sublimes
podem virar instrumentos de manipulação e dominação sob o império das paixões
humanas. Em nome de Deus multidões foram subjugadas e o conhecimento
amordaçado durante séculos até que o Renascimento quinhentista resgatasse o
humanismo e reinventasse o jeito de o homem investigar a natureza, agora através
dos sentidos na sistematização do método empírico.

Aos poucos, pelo menos no Ocidente, declinaram os governos teocráticos e as
legislações baseadas em postulados religiosos, com grande avanço da liberdade, das
relações humanas e da justiça social. Mas, outra vez, as paixões e os interesses
temporais improvisaram ídolos que, como os do passado, servem ao propósito de
dominação, agora em meio à treva de um fanatismo intelecto-pragmatista.

É esse o contexto no qual cultuamos a “deusa” Ciência, subvertendo os seus valores
- a exemplo dos religiosos que traem a essência do divino, ao reduzí-lo aos seus
caprichos -, seja no ambiente fundamentalista de academias monopolizadas por
materialistas militantes e excludentes ou no dia a dia de uma máquina de consumo
que justifica seu apetite de ganhos com “pesquisas” e “descobertas”.

Os mais pobres e os mais compulsivos são as maiores vítimas dessa situação. Já
não se diz “o padre falou”, “o padre mandou”, contudo, se obedece cegamente ao
que “o médico receitou”, “o psicólogo disse” e, por extensão, a tudo o que um
exército de profissionais e de meros palpiteiros “determinam”, principalmente
através da televisão, esse oráculo das massas vazias de sentido e de disposição
crítica.

A verdade é o que é. É o real. O resto é percepção fragmentada e condicionada
daquilo que é, estuário da imaginação e da reflexão a partir de crenças atávicas ou
recentes que influenciam, inclusive, a experiência dos sentidos e, consequentemente,
a ciência que fazemos.

É tão questionável aceitar tudo o que nos chega em nome de Deus quanto o que
nos entregam em nome da Ciência. Toda teoria tem prazo de validade.

A esse respeito, penso, o melhor é formar com Stephen Hawking, talvez o maior
físico da atualidade, em seu livro “O Universo Numa Casca de Noz”.  Adepto do
positivismo do filósofo Karl Popper, Hawking admite: “Uma teoria científica é um
modelo matemático que descreve e codifica as observações que fazemos. Uma boa
teoria descreverá uma vasta série de fenômenos, com base em uns poucos
postulados simples, e fará previsões que podem ser testadas. Se as previsões
concordam com as observações, a teoria sobrevive ‘àquele’ teste, embora nunca se
possa provar que esteja correta”.
 
[Publicado na edição do Novo Jornal de 2/10/13]