Jomar Morais

Criar seu atalho
Contamos com 
a sua parceria
 
 
 
 

Planeta Jota é um site independente com olhar diferenciado sobre temas essenciais.

Se você gosta de nossos conteúdos, doe qualquer valor e ajude-nos a prosseguir com este projeto iniciado há 23 anos.
A cada doação você ganha um livro digital
do acervo do Livreiro Sapiens.

Obrigado por sua colaboração.

 
Ano 23                                                                                                              Editado por Jomar Morais
vitrine pj
tv sapiens



OUTRO OLHAR
por Jomar Morais
 
SABEDORIA DE CRIANÇA
Quem melhor do que uma criança, em seu insaciável desejo de descobrir
o mundo, para chacoalhar um velho petrificado em certezas e tédios?

 
Não fosse o amor um milagre que só acontece no solo sagrado do coração, eu diria que os governos deveriam decretar: todo homem maduro fica obrigado a manter sob sua guarda pelo menos uma criança menor de 10 anos.  Quem não gerou filhos ou não conhece a graça de ter um neto que se apressasse em adotar um desses meninos e meninas que se expõem famintos nas ruas, a face mais cruel de nossa sociedade iníqua.

A justificativa do decreto, detalhada em dois itens, certamente soaria irrelevante para aqueles que, mergulhados em seus megaprojetos de riqueza e poder, sempre subestimam a singeleza e a ternura.

Item 1: apesar da crença contemporânea, utilitária e consumista, de que tudo o que é velho perdeu a serventia e deve ser descartado, é fato que as crianças carecem de beber na fonte da experiência dos idosos, assimilando lições de vida só transferidas sob o calor do afeto, na convivência respeitosa. Logo, não convém que cresçam à distância de um preceptor digno e paciente.

Item 2: desde sempre, o declínio do corpo e a escassez de forças deprimem o homem maduro, levando-o a refugiar-se na fortaleza do já aprendido, em angustiosa renúncia à inquietação criadora. E quem melhor do que uma criança, em seu insaciável desejo de descobrir o mundo, para chacoalhar um velho petrificado em certezas e tédios?

Um decreto assim, submetido a plebiscito, teria o meu o voto, sobretudo, por causa do citado item 2, aquele que me diz respeito e sobre o qual minha experiência diária elimina qualquer dúvida.

O corpo saudável, ainda sem ajuda de remédios, a excitação do jornalismo e minha prática espiritual além da rotina dogmática das religiões conduziram-me até aos 60 anos de idade razoavelmente disposto e com muita fé na vida, mas a verdade é que também sinto o peso dos anos e o declínio do corpo e, claro, a preguiça receosa com que estes nos sepultam. Se eu não pareço caído e perdido na mesmice, devo esta dádiva, principalmente, aos meus três netos (com destaque para a doce e irrequieta Yzabelle, que hoje aniversaria), incansáveis em suas provocações tão ingênuas e tão sábias.

“Vôri, onde é que eu estava antes de estar na barriga da mami?”. Com certeza, não precisamos mais que isso para refletir sobre o sentido da vida. “E se eu balançar a mão vou tocar em Deus?” Para explicar, haja metafísica... e física quântica também. “Os japoneses também são meus irmãos?” O mundo não seria o mesmo se respondêssemos a sério a essa pergunta. “Não avance o sinal, vôri. Você não diz que é preciso saber esperar?” Oh, minha doçura, me poupe diante dos meus leitores...

A criança é a mensagem de que Deus não perdeu a esperança nos homens, disse o grande Tagore. Pois eu digo: a criança é ajuda que Deus nos dá para morrermos cheios de vida.
[Publicado na edição de 18/06/13 do Novo Jornal]
Clique e deixe seu comentário no
Fórum dos Leitores do Planeta Jota