Contamos com 
a sua parceria
 
 
 
 

Planeta Jota é um site independente com olhar diferenciado sobre temas essenciais.

Se você gosta de nossos conteúdos, doe qualquer valor e ajude-nos a prosseguir com este projeto iniciado há 23 anos.
A cada doação você ganha um livro digital
do acervo do Livreiro Sapiens.

Obrigado por sua colaboração.

 
Ano 23                                                                                                              Editado por Jomar Morais
vitrine pj
tv sapiens



OUTRO OLHAR
por Jomar Morais
 
CÉU E INFERNO
O mundo surge e alimenta-se do desejo, mas é inútil esperar do desejo (ainda que espiritualizado e nobre) que ele nos conduza à felicidade 
No excelente livro O universo autoconsciente, do físico Amit Goswami, encontro uma história exemplar sobre a nossa relação com o desejo e a utopia da felicidade egóica.

Um homem morre, acorda no paraíso e, faminto, pede comida a um atendente. O rapaz esclarece: “Tudo que você tem que fazer é desejá-la”. Como num passe de mágica, pratos saborosos surgem à mesa assim que o recém-chegado os cobiça e, maravilhado, ele se empanturra. Mas logo o noviço se vê enredado em outra carência. Sente-se solitário e quer a companhia de uma mulher. A mágica se repete. Mal pensou e um avião das passarelas pousa ao seu lado, causando-lhe imensa euforia. E assim se sucedem os desejos e suas realizações imediatas, até que, entediado, o homem vai de novo ao atendente:

- Isto aqui não é o que eu esperava. Pensei que a gente ficava entediado e insatisfeito apenas no inferno - queixa-se com amargura.

Então, o atendente olha nos seus olhos e, irônico, pergunta:
- E onde é que você pensa que está?

                                                     *      *     *     *     *     *

O nó está dado. E é preciso a sabedoria do santo ou a sagacidade do filósofo para percebê-lo. O mundo surge e alimenta-se do desejo, mas é inútil esperar do desejo (ainda que espiritualizado e nobre) que ele nos leve à bem-aventurança, a felicidade perfeita lastreada na serenidade. Na escravização à pulsão egóica, podemos alcançar as alturas, mas nossa experiência íntima será sempre infernal.

Já no século 19, o filósofo Schopenhauer concluiu que o mundo é representação e vontade. Ou seja, é objeto condicionado ao sujeito, intuição e projeção. É o véu de maia dos orientais expresso nas formas, ilusório por sua natureza e impermanência e, no entanto, base sobre a qual operamos os desejos, eterna fonte de conflitos. Schopenhauer nos revela, com jeito de condenação: nossa vida é um pêndulo que oscila entre o sofrimento do desejo e o tédio que sucede à sua realização.

Um beco sem saída? Prefiro achar, acima de meus desejos, que há intenção e sabedoria nos dilemas e paradoxos. O desenvolvimento da consciência necessita do teatro das formas e da servidão do desejo, mas só a consciência ampliada é sábia o suficiente para não se identificar com o recurso instrumental (forma e desejo), alcançando liberdade e serenidade.

Na rotina vegetativa, centrada no ego, somos como o torcedor fanático que no estádio delira e é capaz de cometer loucuras se o seu time for derrotado. No nível da consciência ampliada, somos o torcedor normal que se diverte, alegra-se ou sofre com o seu time, sem perder a noção de que se trata de um jogo, uma simples brincadeira.

Desejos e frustrações são parte do jogo da vida e se, por causa deles, o sofrimento nos ameaça, manda o bom senso que recordemos: é um jogo, apenas um jogo...
[Publicado na edição de 28/02/12 do Novo Jornal]
Clique e deixe seu comentário no
Fórum dos Leitores do Planeta Jota