Contamos com 
a sua parceria
 
 
 
 

Planeta Jota é um site independente com olhar diferenciado sobre temas essenciais.

Se você gosta de nossos conteúdos, doe qualquer valor e ajude-nos a prosseguir com este projeto iniciado há 23 anos.
A cada doação você ganha um livro digital
do acervo do Livreiro Sapiens.

Obrigado por sua colaboração.

 
Ano 23                                                                                                              Editado por Jomar Morais
vitrine pj
tv sapiens



OUTRO OLHAR
por Jomar Morais
 
O PROFESSOR E O FILÓSOFO
Um filósofo tem mais perguntas a fazer do que respostas a dar, é uma criança descobrindo o mundo. Sua postura cândida pode ser mais que inconveniente.
Qual a diferença entre um professor e um filósofo? Há uma resposta preciosa para essa pergunta no livro O Mundo de Sofia, do norueguês Jostein Gaarder: “A grande diferença entre um professor e um verdadeiro filósofo é que o professor pensa que sabe um monte de coisas e tenta enfiar essas coisas na cabeça de seus alunos. Um filósofo, ao contrário, tenta ir ao fundo das coisas dialogando com seus alunos”.

Em nossa rotina pragmática, delimitada por habilidades e certificações, até os técnicos de futebol viraram professores, enquanto o ideal da filosofia - o amor à sabedoria e à incursão no mistério -, que no passado frequentou as praças e foi servido à juventude, acabou banido para o círculo estreito das academias, onde, aliás, há poucos filósofos verdadeiros.

Nas suas versões consumistas, professores, coachers e gurus exibem respostas prontas para nossas dúvidas, transmitem-nos conforto e segurança e nos ajudam a pôr em prática nossas políticas de resultados. Já um filósofo...

...Um filósofo parece obstinado em trafegar na contramão daquilo que o senso comum e a ilusão dos sentidos referendam, minando a empáfia na qual se sustentam as verdades utilitárias e os sistemas perfeitos.

Um filósofo tem mais perguntas a fazer do que respostas a dar, é uma criança descobrindo o mundo. Sua postura cândida e inquieta, em muitas ocasiões, pode tornar-se mais que inconveniente. Pode ser fatal. O caso de Sócrates é exemplar. Suas perguntas ingênuas, no mercado de Atenas, simplesmente desmontavam o conhecimento dos sabidos, o que gerou a ira dos poderosos e orgulhosos. Acusado de corromper a juventude, ao questionar crenças e valores de seu tempo, o filósofo pagou com a própria vida pela ousadia de enxergar o óbvio.

A mensagem e o método de Sócrates apoiam-se, principalmente, em duas constatações. A primeira está sintetizada na frase “só sei que nada sei”, um insight que ilumina a vida de todo verdadeiro sábio, preservando-o das ilusões. Pouco antes de Sócrates nascer, por exemplo, o filósofo chinês Confúcio disse o mesmo com outras palavras: “Quem reconhece sua ignorância começa a ser sábio”. A segunda comprovação também é inerente à sabedoria e na época de Sócrates estava inscrita no portal da sala do oráculo mais respeitado da Grécia, o do templo de Apolo, em Delfos: “Conhece-te a ti mesmo”. Isto é, a verdade vem de dentro.

Enfim, filósofos verdadeiros, como Sócrates, expressam a verdade anunciada por Lao-Tse no Tao Te King: “O verdadeiro sábio, quando conhece Tao (a realidade infinita), procura realizá-la em si. Quem ainda vacila, incerto na sabedoria, só de vez em quando segue o caminho certo. Quem apenas fala em sabedoria não a toma a sério”.
[Publicado na edição de 10/10/12 do Novo Jornal]
Teresinha Medeiros, 18/02/15 - Lindo texto, amigo Jomar Morais. Parabéns!

Jomar Morais, 19/02/15 - Obrigado, Teresinha, pela leitura do texto e por seu comentário generoso.
Clique e deixe seu comentário no
Fórum dos Leitores do Planeta Jota