Contamos com sua
parceria para
seguirmos em frente
Ano 22                                                                                                          Editado por Jomar Morais
 
 


 
 


Planeta Jota é um site independente com um olhar diferenciado sobre temas essenciais.

Se você gosta de nossos conteúdos, doe qualquer valor e ajude-nos a prosseguir com esse projeto iniciado há 22 anos.
A cada doação você pode solicitar um livro digital ou um fac-símile da seção Documento

Obrigado por sua colaboração.

compartilhar
 
vitrine pj
tv sapiens

OUTRO OLHAR
por Jomar Morais
 
UM CERTO GIOVANNI
No Cristianismo, depois de Jesus, não há ninguém maior que Francisco.
Com sua mensagem universal e inclusiva e seu olhar transcendental sobre
todos os eventos da vida, ele é o laboratório vivo do ideal cristão
 
Dediquei meu livro Viver - Outro olhar sobre o amor, a dor e o prazer a Giovanni di Pietro di Bernardone. Chamei-o de amigo, pois é assim que o vejo em minha vida. Coloquei-o em meu tempo, pois entendo serem atuais e, sobretudo, necessárias, a sua vida e suas idéias. Entre centenas de pessoas que, até agora, congratularam-se comigo, apenas quatro demonstraram conhecer o estranho personagem de minha dedicatória, uma forma inédita de homenagear Francisco de Assis, o santo cuja morte rememoramos ontem.

Giovanni é o nome de batismo do jovem filho do comerciante Pietro di Bernardone (daí o sobrenome), de Assis, Itália, que, tomado de súbita “loucura”, revoluciona a própria vida e enfrenta, com a sua coragem terna, o poder onipresente do papado para firmar o seu direito de viver e pregar a essência da mensagem cristã, sufocada nas estruturas religiosas e no egoísmo manipulador de seus dirigentes e burocratas. E foi a Giovanni, o homem como qualquer um de nós, passível de enlouquecer no amor e mudar o mundo - em vez da imagem do santo canônico, reabsorvida e manipulada pelas estruturas - que eu quis prestar minha singela homenagem.

No Cristianismo, depois de Jesus, não há ninguém maior que Francisco. Com sua mensagem universal e inclusiva e seu olhar transcendental sobre todos os eventos da vida, ele é o laboratório vivo no qual se comprova a viabilidade do ideal cristão e sua força transformadora sobre indivíduos e sociedades. Ele é a expressão da liberdade no amor se sobrepondo às amarras das formalidades e jogos de poder, um “anarquista” de Deus que se entrega por inteiro à vida e ao mistério onde ela ocorre.

Há quem diga que ainda falta aos historiadores debruçarem-se sobre os efeitos políticos da passagem de Francisco na Europa medieval e a influência de sua mensagem até à filosofia da Renascença. Para mim, basta a feliz definição de Dante Alighieri: “Francisco é uma luz que brilhou sobre o mundo”.

Sua visão positiva do homem e da criação, sua dedicação aos pobres, sua noção de teia universal na qual todos os seres se interligam, podendo assim ser chamados de irmãos, sua inabalável confiança e submissão à consciência cósmica, não se deixando escravizar em mecanismos de controle, fazem de Francisco um ícone do homem pleno e solidário.

Certamente que, se ele reaparecesse entre nós, seria de pronto hostilizado pela maioria inconsciente, à maneira dos soberbos cardeais e do próprio papa Inocêncio III, que viram no fradinho despojado e poético, declamando o Sermão do Monte, apenas um louco ingênuo e inconsequente. O mundo, porém, sempre carecerá de loucos para avançar e redimir-se.
[Publicado na edição de 04/10/11 do Novo Jornal]
Seu comentário
Nome:
Email:
Comentário:
Comentários