Contamos com 
a sua parceria
 
 
 
 

Planeta Jota é um site independente com olhar diferenciado sobre temas essenciais.

Se você gosta de nossos conteúdos, doe qualquer valor e ajude-nos a prosseguir com este projeto iniciado há 23 anos.
A cada doação você ganha um livro digital
do acervo do Livreiro Sapiens.

Obrigado por sua colaboração.

 
Ano 23                                                                                                              Editado por Jomar Morais
vitrine pj
tv sapiens



OUTRO OLHAR
por Jomar Morais
 
ASSIM É, SE LHE PARECE
Como a informática pode nos ajudar a entender o paradoxo
do livre-arbítrio e do determinismo na atuação da consciência 
Ontem vi na TV um padre dizer que não acredita em predestinação, ao ser indagado sobre sua vocação precoce. Para ele, o que conta é a influência do meio e, sobretudo, o livre arbítrio. Ou seja, a possibilidade de o homem exercer sua vontade e fazer escolhas, fazer acontecer. Nada mais.

Imagino que a maioria das pessoas, em nossa civilização judaico-cristã, pensa como o padre, que, aliás, não fugiu da Bíblia ao expressar sua opinião. A questão é que a Bíblia e todos os livros sagrados também se referem à onisciência divina. Ou seja, à consciência universal além da ilusão do tempo e do espaço, se preferirmos a linguagem dos físicos que hoje se ocupam com espiritualidade. Jesus, só para citar um exemplo, chegou a afirmar que não cai uma folha seca ou um fio de cabelo sem permissão (conhecimento prévio) de Deus, seja este a divindade pessoal da maioria dos cristãos, a totalidade do filósofo Spinoza ou a consciência única dos orientais e de alguns místicos da tradição cristã.

E agora, José? Livre arbítrio e determinismo formam uma dicotomia e um paradoxo. Isto é, estão juntos e relacionados, apesar da aparente contradição. É possível entendê-los, mas isso será mais fácil se, primeiro, considerarmos que o mundo (e o tempo e o espaço nos quais ele existe) é uma miragem (ou realidade virtual) e que todas as coisas que aconteceram, estão acontecendo ou acontecerão estão ocorrendo justamente agora. Isso não significa que não exista livre escolha e que toda a nossa vida esteja rigidamente ordenada. Mas...

Uma analogia divulgada pelo escritor Neale Walsch ajuda-nos a desatar esse nó. Imagine aquele jogo de xadrez em seu computador. O programador ordenou em códigos todas as possibilidades de movimento das peças e suas variações. Elas estão lá, ocultas, e você, depois de rachar a cabeça calculando, pode decidir “livremente” por esse ou aquele movimento. É você usando seu livre arbítrio, com uma pequena diferença em relação ao seu oponente, o computador: enquanto você leva longos minutos para armar uma jogada, a máquina faz isso numa fração de segundo, pois para ela todas as possibilidades são conhecidas, o game inteiro já foi jogado.

Suas escolhas podem conduzí-lo à esperada frase “Parabéns, você venceu”. Ou àquela indigesta “Sorry, you lose”. Mas tem nada não. Depois disso, o computador sempre perguntará se você topa outra partida.

Quando sentei para escrever este artigo, eu tinha três temas na cabeça. Com o “meu livre arbítrio”, escolhi este. Você gostou? Ganhou? Perdeu? Independentemente de sua resposta, espero que aceite o convite para o nosso jogo da próxima terça.
[Publicado na edição de 21/06/10 do Novo Jornal]
Clique e deixe seu comentário no
Fórum dos Leitores do Planeta Jota