Contamos com sua
parceria para
seguirmos em frente
Ano 22                                                                                                          Editado por Jomar Morais
 
 


 
 


Planeta Jota é um site independente com um olhar diferenciado sobre temas essenciais.

Se você gosta de nossos conteúdos, doe qualquer valor e ajude-nos a prosseguir com esse projeto iniciado há 22 anos.
A cada doação você pode solicitar um livro digital ou um fac-símile da seção Documento

Obrigado por sua colaboração.

compartilhar
 
vitrine pj
tv sapiens

OUTRO OLHAR
por Jomar Morais
 
REMÉDIO OU VENENO?
Brasileiros são campeões do uso abusivo
de remédios, um erro que leva à morte 
Uma notícia nos jornais levou-me a recordar dois episódios de minha relação desconfiada com a medicina moderna e sua ênfase na especialização mecanicista que subestima a totalidade do ser e o envolvimento do médico com o paciente.

Cena 1: em 1991, em São Paulo, eu não estava bem comigo mesmo e com o mundo. Vivia um momento de instabilidade emocional que tinha a ver com situações na família e no trabalho que contrariavam meus desejos. Foi quando o meu coração de 38 anos disparou pela primeira vez. Um cardiologista diagnosticou: prolapso da válvula mitral. É um transtorno leve que assalta milhões de pessoas, disse o profissional. Eu teria de tomar um tal Propanolol para controlá-lo. Desconfiei. Procurei a ajuda de um amigo médico e assustei-me com o seu relato dos efeitos colaterais da droga. Esqueci o assunto e o coração sossegou.

Cena 2: como eu continuasse inábil para administrar meus desejos e os “problemas”, no ano seguinte as palpitações voltaram e, com a pressão a 17/13, corri para o Instituto do Coração do Hospital das Clínicas onde um especialista, cioso de sua autoridade, avaliou meus exames e logo decretou: eu teria de tomar o antihipertensivo Adalat para o resto dos meus dias. Meu anjo da guarda disse não. Como um médico, que não procurou saber sobre minha rotina e minhas emoções, podia tomar uma decisão tão séria apenas baseado em gráficos que atestavam sintomas e não a causa do desequilíbrio do meu corpo? Busquei outro cardiologista que prescreveu um medicamento mais leve - e por apenas 40 dias - e apontou-me a solução efetiva: descarregue o barco, reduza o trabalho, faça atividade física e reconsidere seus valores.

Segui à risca, acrescentando à receita o retorno à prática espiritual regular, que eu havia esquecido, e me dei bem: 20 anos depois, com a pressão a 12/8, vivo sem remédios e com disposição. É óbvio que isso não é garantia de longevidade. Para morrer, basta estar vivo. Mas imagino como estariam hoje a minha cabeça e os meus movimentos se durante esse tempo eu tivesse me empanturrado com as drogas desnecessárias.

Ah! A notícia que me fez lembrar desses fatos refere-se à preocupação da ONU com o consumo excessivo de remédios no Brasil. Somos campeões no uso de estimulantes e antidepressivos e tomamos 55% de toda a sibutramina (inibidor de apetite) fabricada no mundo. Muita automedicação e muita prescrição de maus médicos também. Faltou falar da contribuição do marketing da indústria farmacêutica, das negociatas de distribuidores com a burocracia corrupta da área da saúde e da influência dos laboratórios sobre os médicos. Mas isso já é outro assunto...
[Publicado na edição de 28/06/11 do Novo Jornal]
Seu comentário
Nome:
Email:
Comentário:
Comentários