Wescley Gama
Aldenir Dantas
 
Jorge Braúna
Jomar Morais
BLOGUEIROS
do Planeta
PLANETA*Zap
Para receber envie "Sim"
e seu nome via Whatsapp:

(84) 99983-4178
Glácia Marillac
Guto Castro
Ano 23                                                                                                              Editado por Jomar Morais
vitrine pj
tv sapiens


Destaque do dia | Planeta*Zap
Para receber via Whatsapp diga "Sim" e seu nome em mensagem para (84) 99983-4178
                                         Texto publicado originalmente no jornal El Pais - Brasil


“É preciso parafrasear a rainha Elizabeth II para descrever o que se passou com a América Latina em 2018, e assim dizer que foi um annus horribilis para a região”, afirma a chilena Marta Lagos, diretora do Latinobarômetro, uma conceituada pesquisa que há 23 anos registra as percepções políticas da população de 18 países. Os resultados deste ano, apresentados nesta sexta-feira em Buenos Aires, confirmam que os latino-americanos estão insatisfeitos como nunca antes com a saúde de suas democracias e se inclinam cada vez mais para modelos autoritários.

Se o estudo até 2017 falava em "diabetes democrática" como uma doença invisível que acaba matando o paciente que não for atendido, um declínio geral em todos os indicadores acionou os alarmes mais estridentes. O respaldo caiu em 2018 para 48%, cinco pontos a menos que no ano anterior. Em 2010, o índice de apoio à democracia atingiu seu ápice, com 61%, mas desde então os gráficos mostram uma curva descendente, não abrupta, mas constante.

Não é fácil quantificar a erosão da democracia. Lagos lamenta que não seja possível recorrer a um índice que alerte claramente quando há perigo de morte, como acontece com os números que apontam uma recessão econômica, por exemplo. O Latinobarômetro traça um mapa de múltiplas entradas, onde o que conta é a percepção das pessoas sobre o que acontece no mundo. "Este relatório mostra altos níveis de pressão em várias democracias na região, que deveriam servir como uma advertência para se evitar o aumento dos países não democráticos. Não se trata de revoluções ou grandes acontecimentos sociais, mas da soma de eventos significativos que compõem uma imagem muito clara. Sem militares, sem armas, é mais difícil reconhecer a perda da democracia", observa Lagos.

              Sem apoio popular, crescem os perigos silenciosos
                      às frágeis democracias da América Latina

Os perigos silenciosos que as democracias enfrentam são percebidos com crueza óbvia na Venezuela ou Nicarágua, mas também é preciso ficar atento ao Brasil, onde 50 milhões de pessoas deram o seu voto a Jair Bolsonaro, um candidato que não esconde sua preferência pela ditadura. Lagos esclarece que "não há uma demanda autoritária", como pode parecer se for feita uma leitura apressada dos resultados das eleições no Brasil, mas um pedido de soluções. "Os dados gerais justificam o caso do Brasil. É um país onde todo o sistema está em crise, não só a economia. No entanto, a campanha se baseou apenas em pessoas: Lula e Bolsonaro. Mas, cuidado, porque quem votou em Bolsonaro tem expectativas e a pressão sobre ele será enorme", diz Lagos. É, basicamente, uma exigência política, protagonizada por aqueles que na escuridão do túnel não veem a luz no final.

O estudo identificou que aqueles que não se sentem dentro do sistema optam, então, pela indiferença. Se este foi o annus horribilis isso não ocorreu somente pela progressiva falta de apoio à democracia. Pela primeira vez desde que a pesquisa é realizada, 28% dos entrevistados se mostraram indiferentes quanto à preferência por uma forma de Governo. "Praticamente seis em cada dez pessoas entrevistadas disseram que não votariam em um partido político, o que é um sinal de fraqueza da democracia, que requer que partidos políticos representam as demandas da população. Sem partidos, as democracias não funcionam", afirma Lagos. A indiferença se acentua em jovens entre 16 e 26 anos, outro sinal de alarme, por suas consequências futuras. Eles são pessoas que nasceram na democracia e não conhecem as dificuldades dos anos de ditadura. A percepção de progresso de seus países também está pelo chão: -8, segundo a pontuação líquida resultante da combinação das variáreis positivas e negativas.

A verdade é que os benefícios da democracia não chegam à maioria dos latino-americanos, embora hoje estejam melhores do que há 40 anos. Acontece que "há mais demandas. Há alguns que chegaram mais alto e outros que querem chegar. O cenário então se abre para experimentos que nem sempre cumprem plenamente as normas da democracia", explica Lagos. "O problema da região são os países que estão com graus significativos de perigo de deixar de ser democráticos. Não na forma de golpes clássicos, em que em poucas horas os militares tomavam o poder pela força das armas, mas pelos personalismos presidenciais que minam a autonomia dos diferentes poderes do Estado e ficam com todo o poder”, diz Lagos. É uma doença que cresce como um rizoma, enquanto os cidadãos olham para o outro lado.

VEJA TAMBÉM:

OUTRO OLHAR - crônicas e ensaios do jornalista Jomar Morais

CANTINHO DO LOBO - uivos poéticos do mesmo autor

TV SAPIENS - vídeos alternativos e viagens mochileiras
Estudo diz que democracias vivem
seu "annus horribilis" em 2018
Protesto contra o presidente eleito Jair Bolsonaro em São Paulo, dia 30 de outubro