Ano 25                                                                                                              Editado por Jomar Morais
vitrine pj
tv sapiens

25
anos


OUTRO OLHAR
por Jomar Morais
 
OS JOVENS E A UTOPIA CRISTÃ
A proposta de Jesus é radical. Ela mina as bases do poder temporal . É trator que não deixa pedra sobre pedra do edifício de nossas crenças e valores.
 
O escritor e ativista social Frei Betto costuma dizer que a droga tornou-se epidêmica em vasta parcela dos jovens brasileiros porque falta a estes uma utopia. Assino embaixo. No passado, multidões juvenis sonharam com uma sociedade justa e perfeita e, por essa causa, enfrentaram poderosos e derrubaram impérios. Não há tempo - nem motivação - para viajar na droga quando se está imerso na viagem fantástica da construção de uma nova era.

A utopia, no sentido de situação ideal em que vigorem instituições equânimes, sempre nos remete ao coletivo, à preocupação com o outro, ao senso de justiça. Na droga prevalece a corrupção do ideal do absoluto, em meio à ilusão de que o indivíduo basta a si mesmo e o seu prazer, ainda que fuga da frustração e da dor, é a meta de uma vida.

O delírio utópico atravessa o tempo, alterando estruturas, movido por crenças e teorias. Catalizado por ideologias, ganha força e, também por causa delas, conhece em seguida o declínio, sabotado pelas pulsões egóicas no jogo do poder. Ergue e derruba regimes políticos e altera paradigmas e logo se perde na armadilha das fórmulas e formas para renascer mais à frente em novo ciclo criativo.

A utopia fez surgirem heróis e mártires e expôs à luz a força e a ternura incomensuráveis da condição humana. Mas, com todo o respeito aos delirantes de outros matizes, penso que nenhuma utopia, até hoje, foi maior e mais demolidora que a do jovem judeu que anunciou um reino.

A proposta de Jesus é radical e isso explica o seu destino trágico na cruz. Ela mina as bases do poder temporal e a do poder clerical, sustentado por ideologias religiosas. É trator que não deixa pedra sobre pedra do edifício de nossas crenças e valores convencionais.

A verdade é que não há como ser cristão sem incomodar o mundo, aqui entendido como a lógica que cria e sustenta os sistemas abomináveis que discriminam, manipulam e oprimem os homens. Para os que não crêem somos loucos, já dizia o apóstolo Paulo. A mensagem cristã é inclusiva, o reino é o abraço à natureza, um fazer-se um com todos e com Deus.

O reino é plenitude no frescor e na simplicidade da vida, eterna partilha na qual os dons do amor se multiplicam. E isso não atende aos interesses do mundo, que se alimenta da carência e do medo, na cela imensa da avareza.

Não sou católico, mas emociono-me com a atual Jornada Mundial da Juventude em torno de um papa que, inspirado no “louco” de Assis, parece esforçar-se por retirar sua igreja do pântano em que se meteu ao se deixar seduzir pelo império desafiado nos tempos apostólicos por um exército de excluídos.

A utopia cristã não morreu e, penso, jamais morrerá. Apóstolos e mártires sempre brotaram no altar da vida. Ver, no entanto, tantos jovens dispostos a sonhar e a agir, como o fez Francisco de Assis há 800 anos, renova-nos na coragem e na alegria de viver.
 
[Publicado na edição do Novo Jornal de 23/07/13]
Clique e deixe seu comentário no
Fórum dos Leitores do Planeta Jota