Ano 26                                                                                                                              Editado por Jomar Morais
vitrine pj
tv sapiens

26
anos

Clipping & Ideias
Para receber envie "Sim" e seu nome via Whatsapp:
(84) 99983-4178
LIVREIRO SAPIENS
Acesse nosso acervo
PLANETA*Zap
 
LEITOR SOLIDÁRIO
Planeta Jota é um site independente com olhar diferenciado sobre temas essenciais. Doe qualquer valor e ajude este projeto iniciado há 26 anos.
Informe-nos sobre sua doação
e ganhe um livro digital do Sapiens
Ao vivo na TV Sapiens
Titular da conta: Jomar Morais
O Caminho de Francisco
A Úmbria de Francisco de Assis. Clique e leia
www.dialogofraterno.com
https://youtube.com/sapiensnatal
Acesse a programação. Inscreva-se no canal
Planeta Jota é um website sem fins lucrativos editado pelo jornalista Jomar Morais, desde maio de 1995, com a ajuda de voluntários. Saiba mais.

Não publicamos texto editorial pago. Se você deseja ajudar na manutenção deste trabalho, poderá fazê-lo mediante uma doação de qualquer valor via PIX 84-999834178, via Pagseguro ou adquirindo os livros divulgados aqui pelo Livreiro Sapiens. Assim você contribuirá para a difusão de ideias que despertam consciências e mudam o mundo e estimulará os autores que compartilhamos.

 
Fale com a gente
QUEM SOMOS
Único livro brasileiro
com uma abordagem
interdisciplinar do tema, abrangendo ciência, filosofias e religiões.
Compre na Amazon
e receba o livro agora
Clique aqui para acessar
todos os vídeos do canal
Pix: 84999834178
Destaque recente
As mutações do sexo. Para onde vamos?
A arte da simplicidade
O vídeo mais visto
     ou
Blogueiros & Escritores
Aldenir Dantas
Glácia Marillac
Guto de Castro
Wescley Gama
Jorge Braúna
Textos místicos
Clube da Esquina
O que é a mente e o que é meditação. Como libertar-se dos grilhões e alcançar a mente meditativa. Nove estágios da prática eficaz.
Jomar Morais
LEITURA IMPERDÍVEL !
Você vai rir. Você vai chorar. Você vai refletir.
Contos de
Aldenir Dantas
Histórias divertidas. Personagens surpreendentes.
Só aqui desconto de 30% !
35 reais + frete (12 reais)


PIX 84-999834178 (celular)
[Envie recibo e endereço via WhatsApp]

Ou compre no cartão em até 18 vezes pelo
Pague com PagSeguro - é rápido, grátis e seguro!

OUTRO OLHAR
por Jomar Morais
 
REMÉDIO OU VENENO?
Brasileiros são campeões do uso abusivo
de remédios, um erro que leva à morte 
Uma notícia nos jornais levou-me a recordar dois episódios de minha relação desconfiada com a medicina moderna e sua ênfase na especialização mecanicista que subestima a totalidade do ser e o envolvimento do médico com o paciente.

Cena 1: em 1991, em São Paulo, eu não estava bem comigo mesmo e com o mundo. Vivia um momento de instabilidade emocional que tinha a ver com situações na família e no trabalho que contrariavam meus desejos. Foi quando o meu coração de 38 anos disparou pela primeira vez. Um cardiologista diagnosticou: prolapso da válvula mitral. É um transtorno leve que assalta milhões de pessoas, disse o profissional. Eu teria de tomar um tal Propanolol para controlá-lo. Desconfiei. Procurei a ajuda de um amigo médico e assustei-me com o seu relato dos efeitos colaterais da droga. Esqueci o assunto e o coração sossegou.

Cena 2: como eu continuasse inábil para administrar meus desejos e os “problemas”, no ano seguinte as palpitações voltaram e, com a pressão a 17/13, corri para o Instituto do Coração do Hospital das Clínicas onde um especialista, cioso de sua autoridade, avaliou meus exames e logo decretou: eu teria de tomar o antihipertensivo Adalat para o resto dos meus dias. Meu anjo da guarda disse não. Como um médico, que não procurou saber sobre minha rotina e minhas emoções, podia tomar uma decisão tão séria apenas baseado em gráficos que atestavam sintomas e não a causa do desequilíbrio do meu corpo? Busquei outro cardiologista que prescreveu um medicamento mais leve - e por apenas 40 dias - e apontou-me a solução efetiva: descarregue o barco, reduza o trabalho, faça atividade física e reconsidere seus valores.

Segui à risca, acrescentando à receita o retorno à prática espiritual regular, que eu havia esquecido, e me dei bem: 20 anos depois, com a pressão a 12/8, vivo sem remédios e com disposição. É óbvio que isso não é garantia de longevidade. Para morrer, basta estar vivo. Mas imagino como estariam hoje a minha cabeça e os meus movimentos se durante esse tempo eu tivesse me empanturrado com as drogas desnecessárias.

Ah! A notícia que me fez lembrar desses fatos refere-se à preocupação da ONU com o consumo excessivo de remédios no Brasil. Somos campeões no uso de estimulantes e antidepressivos e tomamos 55% de toda a sibutramina (inibidor de apetite) fabricada no mundo. Muita automedicação e muita prescrição de maus médicos também. Faltou falar da contribuição do marketing da indústria farmacêutica, das negociatas de distribuidores com a burocracia corrupta da área da saúde e da influência dos laboratórios sobre os médicos. Mas isso já é outro assunto...
[Publicado na edição de 28/06/11 do Novo Jornal]
Clique e deixe seu comentário no
Fórum dos Leitores do Planeta Jota